Campanha nacional promove a inclusão de aprendizes com deficiência em estabelecimentos hospitalares

Campanha nacional promove a inclusão de aprendizes com deficiência em estabelecimentos hospitalares
Motivar e orientar jovens com deficiência a ingressarem no mercado de trabalho. Esse é o foco da campanha “Aprendiz com Deficiência” do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Federação Brasileira de Hospitais (FBH). A ação tem como objetivo garantir abertura de novas vagas para treinamento e qualificação aos interessados e conta com o apoio do ex-jogador Romário.
 
A solenidade de lançamento será realizada no próximo dia 5, na Câmara dos Deputados, às 17h, no Hall da Taquigrafia, próximo a entrada do anexo II. Na oportunidade, será apresentado folder e cartaz, em que o tetra campeão mundial de futebol (1994) é o protagonista de uma história em quadrinhos. No texto, ele ressalta a importância de se enfrentar o preconceito: “é mais do que ganhar uma Copa do Mundo; é ganhar o respeito pelas diferenças”, afirma.
 
Dados do CFM e da FBH apontam a existência de 45 milhões de brasileiros com algum tipo de deficiência, o equivalente a 24% da população. Pela Lei de Cotas (8.213/91), toda empresa com mais de 100 funcionários precisa reservar vagas para esse público. Entretanto não há uma especificação no caso dos aprendizes.
 
A publicação foi encaminhada aos diretores e donos de hospitais de todo o país, na expectativa de angariar adesão à proposta. O conteúdo do folder estará disponível no seguinte endereço: www.portalmedico.org.br
 
Exemplos - A chance de trabalho é fundamental, mas é preciso que a pessoa com deficiência também compreenda o seu potencial. O coordenador do Programa de Empregabilidade de Pessoas com Deficiência da empresa Serasa S/A, João Ribas, explica que no passado as empresas não acreditavam no profissional com deficiência, mas hoje ele é exigido sem diferenciação. “A inclusão é um caminho de mão dupla”, aponta o profissional que é cadeirante.
 
Para a médica Izabel Maior, a pessoa com deficiência tem capacidade de estar em todos os ramos do mercado de trabalho. “O importante é ser um aprendiz, ter deficiência é um detalhe”, defende a ativista que, após ser vítima de erro médico passou a usar cadeira de rodas.
 
Parceria – O deputado federal Romário (PSB-RJ) tem se mostrado entusiasmado com o trabalho de inclusão do Conselho. “Apesar do preconceito que ainda existe, nós estamos conseguindo mudar a mentalidade dessas pessoas e reverter esse quadro a favor das pessoas com deficiência”, disse.
 
Segundo o coordenador da Comissão de Ações Sociais do CFM, Henrique Batista e Silva, a parceria com Romário se justifica pelo trabalho do parlamentar na luta pela desigualdade e contra as diferenças.
 
O Comitê Paraolímpico Brasileiro também aceitou prontamente convite do deputado Romário para participar do evento. De acordo com o presidente da entidade, Andrew Parsons, alguns medalhistas paraolímpicos comparecerão ao evento para apoiar a iniciativa.
 
Dr. Enio Rubens Silva e Silva apóia essa iniciativa.